26/09/2014

INFORME: aos Usuários, Frequentadores e coletivos da Casa de Cultura de Piraporinha


Casas de Cultura retornam para a Secretaria Municipal de Cultura

Com a integração das Casas de Cultura à rede de equipamentos administrada pela Secretaria Municipal de Cultura, estes espaços irão contribuir para a inserção, de forma ainda mais ampla, da periferia da cidade na política de cultura do município
Nesta sexta-feira, dia 26 de setembro, será realizada, às 19h, na Praça das Artes, a cerimônia que formaliza a transferência das Casas de Cultura para a administração da Secretaria Municipal de Cultura (SMC), após dez anos sob os cuidados da Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras. Trata-se de uma medida que atende a uma demanda da sociedade civil, movimentos culturais e artistas, e que ganhou força principalmente no ano passado, durante a realização da III Conferência Municipal de Cultura, em agosto, quando o tema foi eleito a quinta prioridade entre as 30 propostas que foram consolidadas no encontro. 

As Casas de Cultura desempenham um papel fundamental na consolidação da política de territorialização da cultura na cidade. A partir de agora, estes espaços somam-se à rede de equipamentos públicos culturais, sob a coordenação da SMC, formada por bibliotecas, centros culturais, casas históricas, museus, teatros, cinemas e também os CEUs, que passaram, desde o início do segundo semestre, a ter gestão compartilhada entre as Secretarias de Educação, Cultura e Esportes, Lazer e Recreação. Integrando a rede municipal de equipamentos culturais, as Casas de Cultura funcionarão de acordo com diretrizes da política cultural da Prefeitura de São Paulo, que abarcam programação cultural de qualidade, atividades de formação e valorização das iniciativas locais.

O objetivo, com a transferência das Casas, é fortalecer as ações culturais na comunidade. Para isso, o papel das Subprefeituras é essencial, como executora da política cultural no território. As supervisões de cultura serão fundamentais para o bom desempenho destes espaços, contribuindo para o diagnóstico das demandas regionais e envolvendo a comunidade de forma efetiva nas ações. 

Periferia com força na política cultural 
“É preciso que os nossos principais serviços cheguem ao maior número de espaços da cidade”, enfatiza o secretário municipal de Cultura em exercício, Alfredo Manevy. Com a rede de Casas de Cultura sendo coordenada pela SMC, a periferia da cidade ficará efetivamente mais integrada na gestão cultural do município, tendo a sua oferta de atividades consideravelmente ampliada. 

O decreto que oficializa o retorno das Casas de Cultura para a administração da SMC é resultado de mais de um ano de discussões entre as secretarias envolvidas e os movimentos culturais. Ele institui a transferência de 18 espaços: Casa de Cultura do Butantã (Butantã/zona oeste), Casa de Cultura Palhaço Carequinha (Capela do Socorro/zona sul), Casa de Cultura Salvador Ligabue (Freguesia do Ó-Brasilândia/zona norte), Casa de Cultura Chico Science (Ipiranga/zona sul), Casa de Cultura Itaim Paulista (Itaim Paulista/zona leste); Casa de Cultura Raul Seixas (Itaquera/zona leste), Casa de Cultura do Tremembé (Jaçanã-Tremembé/zona norte), Casa de Cultura Tendal da Lapa (Lapa/zona oeste), Casa de Cultura M’Boi Mirim (M’Boi Mirim/zona sul), Paço Cultural Julio Guerra (Santo Amaro/zona sul), Casa de Cultura Cora Coralina (Santo Amaro/zona sul), Casa de Cultura Manoel Cardoso de Mendonça (Santo Amaro/zona sul), Casa de Cultura São Miguel Paulista – Antonio Marcos (São Miguel/zona leste), Casa de Cultura Campo Limpo (Campo Limpo/zona sul), Casa de Cultura de Cidade Tiradentes (Cidade Tiradentes/zona leste), Casa de Cultura Brasilândia (Freguesia do Ó-Brasilândia/zona norte), Casa de Cultura Lajeado (Lajeado/zona leste) e  Casa de Cultura São Mateus (São Mateus/zona leste). 

O documento também determina a criação de uma comissão de transição da administração dos espaços, que será composta por representantes das Secretarias de Coordenação das Subprefeituras e de Cultura. Serão realizadas reuniões específicas com os gestores e subprefeitos, a fim de apresentar com clareza as diretrizes e colocar em discussão as propostas de ocupação destes locais estratégicos. Além disso, serão organizadas quatro audiências públicas do programa da Secretaria Municipal de Cultura destinado à construção colaborativa de políticas públicas, o #ExisteDiálogoemSP/CasasdeCultura. 

Após ter concluído a transição de sua administração, serão criados conselhos participativos das Casas, que ajudarão a definir o funcionamento dos espaços, atendendo às necessidades específicas de cada região.

Fonte:PMSP/SMC

OBS: Parabéns a todos aqueles que contribuiram para essa vitória coletiva e de interesse publico.